Como desfrutar do sexo sem dor?

12 de May de 2022

Sentir dor durante a penetração é mais comum do que você imagina. Há pessoas que sentem dor desde sempre e também há quem começou a sentir recentemente. As causas podem ser desde as mas experiências até coisas que não podemos identificar. Há quem se conforma, quem se frustra e quem se sente culpadx e sozinhx.


Como ninguém deve sentir-se sozinha, vamos abordar essa questão porque identificar-se com algo que acontece com a gente pode ser muito tranquilizador. Para começar, a dor na vagina é um sinal de que algo em nosso corpo não está funcionando como deveria. Na continuação, te explicamos porque isso acontece e o que fazer para poder desfrutar do sexo plenamente e sem dor.


Do que estamos falando?

Ao contrário do que pensava, quando falamos de dor na penetração, falamos de dispareunia e não de vaginismo.

O primeiro conceito se refere a quando se pode receber a penetração (como um absorvente interno, um dedo, um brinquedo sexual ou um pênis), mas sente dor em alguma área da sua vagina (na entrada, no meio ou no fundo).

O vaginismo, por outro lado, é quando não se pode realizar a penetração porque os músculos da vagina se contraem de tal maneira que é impossível introduzi-la.

Geralmente nos equivocamos referindo-nos a dor com a palavra “vaginismo”, mas agora já sabemos que isso está relacionado com a dispareunia.



O que fazer?

Em primeiro lugar, para saber a origem dessa dor durante a penetração, te aconselhamos a buscar antes de tudo um médico ginecologista para comprovar que não há nenhuma complicação no organismo. A dor durante a penetração vaginal pode estar relacionada com os músculos vaginais, mas também com endometriose, disfunções dermatológicas, infecções ou DSTs.


Após testes para descartar complicações orgânicas, se o seu ginecologistx te disser que fisicamente está tudo bem, pode recorrer a fisioterapeutas do assoalho pélvico, que te dirão se precisa relaxar os músculos da vagina, tonificá-los, fortalecê-los ou torná-los mais flexíveis (caso te falte mobilidade). O certo é que os músculos vaginais tem muito a ver com a dor na penetração, já que como todos os músculos do corpo, podem apresentar contraturas e lesões.

 

Por que acontece?

Este descoforto pode ocorrer em determinados momentos, por exemplo, que sinta dor ao ter sexo com alguém, mas não quando coloca um absorvente interno. Também pode ser uma dor circunstancial, como por exemplo depois de dar a luz. No entanto, também pode ser algo generalizado, ou seja, ocorre a maior parte das vezes indistintamente.

 

esquema canal vaginal


A dor pode ter origem psicológica (estresse, uma má experiência sexual do passado, ansiedade antecipada), ou física, como a endometriose (quando o tecido que cobre o interior do útero cresce fora dele provocando inflamações), vulvodínia (infecção na entrada da vagina), vulvovaginite, líquen…


Incluso poderíamos ter uma causa mista: tanto fatores psicológicos como orgânicos coexistem e se retroalimentam.


Finalmente, se, após testes e consultas médicas, as causas não coincidirem com o que falamos anteriormente, pode ser que a dor da penetração seja causada por questões mais relativas à esfera sexual. Por exemplo:


  • Falta de preliminares

Uma boa maneira de recuperar as preliminares é a incorporação de brinquedos eróticos como Neo Plus e Diva para disfrutar o corpo do seu parceir@ e que ele possa fazer o mesmo contigo. É importante no cair sempre nas mesmas rotinas sexuais e inovar, sempre e quando saiba quais são os seus limites e experimentar com total conforto para expandir o seu repertório erótico.


  • Falta de excitação ou erotismo

A excitação está muito ligada ao erotismo e o erotismo se dá mediante a sedução, a uma comunicação mais “caliente”, com o objetivo de criar expectativa. Cada pessoa tem sua própria definição do erótico e a questão é encontrar a forma certa de comunicar, sem pensar em desempenho ou normas pornográficas. Para gerar expectativas, estes podem ser grandes aliados: óleos de massagem, leitura de artigos eróticos...


  • Falta de lubrificação

A falta de lubrificação pode ser por uma questão psicológica (estress, ansiedade, depressão, etc), hormonal (menopausa, consumo de medicamentos) ou relacionados com os músculos pélvicos (quanto mais rígidos forem, menos lubrificação vaginal existe). Havendo falta de lubrificação ou não, o lubrificante sempre é um ótimo aliado nas suas relações sexuais porque não só aumenta o prazer, como também a segurança (é mais dificil que um preservativo se rompa ou que tenha uma ferida).

 

  • A postura ou posição específica do útero

Algumas posturas podem ser mais dolorosas que outras pela posição onde se encontra o útero quando está acontecendo a penetração. É importante experimentar posturas diferentes e entender se a dor é devida a postura ou a experiência que temos com essa postura. Se você sente dor, tente mudar Se doer, tente mudar de posição ou sugira mudar para o sexo oral.


  • Estresse ou ansiedade

Por vezes temos dificuldade em desligar-nos da nossa rotina agitada e cheia de preocupações. O stress, por exemplo, ativa o nosso sistema nervoso simpático, o que nos impede de relaxar e desfrutar do sexo. Por esta razão, te recomendamos provar o sexo com atenção plena, concentração total no momento atual, o chamado mindful sex.


  • Falta de concentração

Já ouviu falar de “espectador”, ou seja, aquele que assiste a um espetáculo? Pode ter muito a ver com a sua dificuldade em concentrar-se nas suas relações sexuais.


  • Falta de relaxamento e sentimentos de tensão

Com a vida agitada que temos, se torna difícil esquecer das preocupações e tarefas da nossa rotina. Por esse motivo, para entrar em um estado de relaxamento e liberar tensões, muitas pessoas praticam cuidados prévios antes de ter relações sexuais.

Por outro lado, sempre é benéfico recorrer a um especialista em sexologia para entender estas questões com um acompanhamento especializado que lhe forneça diferentes ferramentas de gestão.



Pouco a pouco

Na continuação, queremos te propor vários exercícios para voltar a desfrutar do seu corpo e claro, do sexo.

 

1) Conheça seu corpo e sua vulva

O primeiro passo é buscar uma posição confortável, relaxada. Você pode agachar-se ou deitar-se com as pernas para cima ou dobradas, o que ajuda a relaxar seus músculos vaginais. Pegue um espelho e localize as áreas da sua vulva. Isto faz com que você reconheça a sua vulva e, portanto, permite que o seu cérebro tenha consciência da sua existência.
Consegue localizar todas as partes na sua vulva? Se tiver vontade, pode tocar na sua vulva com o espelho à sua frente e ver as sensações que essa área te proporciona.

 

2) Explore seu desejo sexual

O desejo sexual é o impulso que nos leva a ter relações sexuais, estejamos sozinhas ou em casal e se desperta através das fantasias sexuais, que é o que excita nossa mente e o que proporciona uma boa resposta sexual. Para potencializar o imaginário sexual e as fantasias, podemos ler artigos, novelas ou podcasts eróticos até encontrar algum que nos excite. Se você tem vontade, também pode experimentar escrever seu próprio relato erótico.

 

3) Faça uma massagem consciente

Se trata de uma massagem para descobrir seu corpo, suas áreas de prazer, mas com duas condições: sua mente tem que estar presente onde sua mão esteja e sem a finalidade de chegar ao orgasmo, e sim aproveitar para se conhecer. A regra chave é sentir. Assim, quando se sentir preparadx, pegue um lubrificante e, usando os dedos, toque seus lábios internos, clítoris, fazendo uma suave e carinhosa massagem vaginal em círculos.


Sem pressa e desfrutando o momento, continue com esse movimento e experimente aplicar diferentes tipos de pressão, como por exemplo fazer mais rápido, lento ou ampliando os círculos e perceba se você gosta do que sente.

Lembre-se de que como falamos no início, a dor é um sinal de nosso corpo que precisamos escutar e que de nenhuma forma deveríamos normalizar. Aqui compartilhamos contigo algumas sugestões para que consiga desfrutar de ti, do seu corpo e do sexo, e te lembramos que se esse é o seu caso, procure um especialista que te oriente sobre como ter uma vida sexual plena e saudável, aproveitando ao máximo todas as experiências que você deseja viver.